sábado, 16 de março de 2019

,

Apresentado na ETS em Nova Orleans (8 de março de 2019). 
Artigo original em Free Thinklng Ministries.

Resumo: Mero Molinismo (a visão de que Deus possui conhecimento intermediário e os humanos ocasionalmente possuem liberdade libertária) traz amplos benefícios a muitos argumentos no repertório do apologista. O Molinismo Soteriológico (aplicando Mero Molinismo a questões relativas à salvação) oferece ainda mais. Este ensaio analisa várias características-chave de múltiplos argumentos baseados na apologética, demonstrando como cada um deles assume ou é fortalecido pela teologia de Luis de Molina. Isso inclui um argumento bem conhecido contra a existência de Deus, apelidado como o Problema do Mal (versões moral e natural) e aplica o Molinismo a vários argumentos no Caso Cumulativo. Os argumentos dentro do escopo do alcance do Molinismo incluem o Argumento do Pensamento Livre, o Argumento Cosmológico de Kalam, o Argumento Moral e o Argumento do Ajuste Fino. Em última análise, este artigo demonstra que o Molinista tem acesso logicamente consistente a argumentos muito mais apologéticos do que aqueles que sustentam uma visão concorrente da soberania divina.

Introdução

Um pastor recentemente me perguntou se toda a minha pesquisa e escrita sobre o molinismo não é nada além de uma “perda de tempo colossal”. Afinal, por que um apologista - cuja missão é defender a verdade do cristianismo - passa tanto tempo promovendo um teologia cristã particular, especialmente quando se trata de uma questão aparentemente periférica e não essencial? Este pastor acreditava que meu tempo, como apologista cristão, seria melhor gasto argumentando contra o ateísmo sozinho. Eu respondi explicando como o Molinismo é a maior ameaça para a visão de mundo ateísta hoje.

Em minha experiência, não apenas me vejo defendendo o molinismo de pessoas como os calvinistas e os teístas abertos, mas também me surpreendo ao ver o vigor em que os ateus também se opõem à doutrina do conhecimento médio de Molina! [1] Afinal de contas, por que o ateu deveria se importar com a visão que alguns cristãos têm da soberania divina e da responsabilidade humana? Tudo se resume ao fato de que o Molinismo  destrói  (como Paulo diz em 2 Coríntios 10:5) seu argumento favorito levantado contra o conhecimento de Deus - o chamado "problema do mal".

Mero Molinismo, envolve dois ingredientes essenciais:

1- Logicamente, antes da decisão de Deus de criar o mundo, Deus sabia tudo o que aconteceria em qualquer cenário possível que Ele pudesse criar (implica o conhecimento médio de Deus).

2- Como seres criados à imagem de Deus, os humanos, como Deus, possuem liberdade libertária (a capacidade de escolher entre uma gama de opções, cada uma compatível com a natureza de alguém).

Pode-se ir além de "Mero Molinismo" e aplicar esses dois elementos essenciais a questões soteriológicas (o que não é necessário), e tornar-se um "molinista soteriológico" afirmando um terceiro ingrediente:

3 - Deus é um ser maximamente grande que ama e deseja o melhor para todas as pessoas.

Uma visão soteriológica do molinismo envolve cada um desses três ingredientes principais. Visões concorrentes, no entanto, negarão pelo menos um desses pontos vitais. Por exemplo, os Teólogos Abertos negam que Deus possui conhecimento médio dos mundos possíveis dentro do Seu poder para criar. [2] Calvinistas e outros deterministas divinos regularmente rejeitam a noção de liberdade libertária humana e freqüentemente rejeitam a onebenevolência de Deus. [3]

Como veremos, pelo menos um dos três aspectos-chave do Molinismo está ligado a cada um dos seguintes argumentos baseados na apologética. Com isto em mente, parece que o Molinismo tem acesso logicamente consistente a mais argumentos para a existência de Deus (sem mencionar oferecer defesas poderosas a objeções levantadas contra a existência de Deus), do que qualquer outra visão da soberania de Deus. Embora isso não prove dedutivamente que o Molinismo é verdadeiro, ele parece fazer com que o Molinismo seja uma visão preferível.

Primeiro, considere a maior objeção contra o Maior Ser:

Molinismo contra o problema do mal moral

Muitos ateus assumem que a ideia de um Deus perfeitamente amoroso é logicamente incompatível com o mal moral. Por exemplo, se Deus determina causalmente todas as coisas (como afirmam muitos calvinistas), então Deus determinou todos os pensamentos e ações de Hitler. Os ateus racionalmente inferem que Hitler não é realmente culpado pelo Holocausto, mas Deus é o culpado do mal. Portanto, os ateus concluem que Deus não é digno de adoração ou simplesmente não existe.

Molinismo, no entanto, resolve o problema ao mudar de uma defesa de livre-arbítrio e oferecendo uma teodiceia tradicional. Considere o fato de que, em uma estrutura molinista, é lógico concluir que existe um Deus todo-poderoso, onisciente e perfeitamente amoroso. Visto que Deus é todo-amoroso, Ele deseja um relacionamento amoroso autêntico e eterno com todo e qualquer ser humano que Ele já criou (O que eu argumentei em outro lugar é outro ponto não compatível com o determinismo divino). [4]

Uma vez que Deus deseja um autêntico relacionamento amoroso com cada ser humano individual, Ele teve que dar à humanidade a genuína liberdade de escolher rejeitá-lo - ou não (este ponto não é compatível com a TULIP ou qualquer visão determinista da soberania divina, sem uma específica e única visão do universalismo [5]). Com a rejeição vem o pecado e essas transgressões contaminaram este mundo com o mal, a dor e o sofrimento terrível. Deus também permite o sofrimento causado por escolhas morais, porque o sofrimento nos molda, assim como nos aproxima d'Ele, que é o maior bem que um ser humano pode experimentar.

Depois de refletir sobre o amor perfeito de Deus, a única maneira pela qual Deus pode erradicar a possibilidade do mal moral é erradicar a liberdade libertária. Isso, então, erradicaria a possibilidade de cada um de nós entrar livremente em um relacionamento de “amor verdadeiro” com nosso Criador. Esse eterno relacionamento de amor com nosso criador é o maior bem que uma pessoa poderia experimentar; Portanto, erradicar o mal seria mal! Assim, quando mantemos a eternidade em mente, vemos que é bom e amoroso que o mal, a dor e o sofrimento tenham sido possibilitados e permitidos por Deus.

Um argumento dedutivo resumindo isso pode ser encontrado em seu folheto, intitulado O Argumento da Livre Vontade Contra o Problema do Mal Moral :

1- Se um Ser Maximamente Grande (Deus) existe, Ele é perfeitamente bom e todo amoroso (esta é a propriedade da onibenevolência).

2- Se Deus é todo amoroso, Ele deseja um verdadeiro relacionamento de amor com toda a humanidade (João 3:16; 1 Timóteo 2: 4; 2 Pedro 3: 9).

3- Se o verdadeiro amor é para ser alcançado com toda a humanidade, toda a humanidade deve possuir liberdade libertária.

4- Se a humanidade possui liberdade libertária, então a humanidade pode escolher livremente fazer o mal.

5- Se um Ser Maximamente Grande (Deus) existe Ele é todo-poderoso (esta é a propriedade da onipotência).

6- Portanto, Deus poderia impedir a possibilidade de ações más ao erradicar a liberdade libertária humana (Ele teria o poder).

7- Se Deus erradicar a liberdade libertária, então Ele erradica a possibilidade do amor verdadeiro com a humanidade.

8 - O amor eterno com Deus é o melhor que os seres humanos podem experimentar e os seres humanos livremente escolherem amar a Deus lhe traz a glória suprema.

9- Portanto, impedir o amor seria mal.

10- Portanto, seria mal erradicar a liberdade libertária.

11- Portanto, seria mau para Deus erradicar a possibilidade do mal.

12- Portanto, visto que Deus é perfeitamente bom e todo amor, Ele permite a possibilidade do mal.

É vital entender que o Molinismo fornece a base sobre a qual esse argumento contra o “problema do mal moral” é construído, pois a liberdade libertária é um de seus componentes essenciais. Uma vez que este problema do mal tem sido dito ser a maior "razão" para o ateísmo, segue-se que o molinismo - se é verdade - leva essa assim chamada "razão" para os ateus. Se um ateu não tem uma boa razão para o seu ateísmo (e continua a manter as crenças ateístas de qualquer maneira), então eles se apegam às suas crenças ateístas com uma fé cega à parte da razão. Novamente, é por isso que o ateu comprometido lutará vigorosamente contra o Molinismo e tentará desesperadamente encontrar algo errado com esse argumento.

Os cristãos, por outro lado, que negam a liberdade libertária humana ou o amor perfeito de Deus (onibenevolência) não têm acesso a esse argumento e são deixados com um problema significativo de carregar um fardo extremamente pesado do mal. Ou seja, o problema do mal não pode ser adequadamente explicado por alguém que afirma que Deus determina causalmente todas as coisas.

Molinismo versus o problema do mal natural

Molinismo também oferece uma solução poderosa para outra versão do "problema do mal" (também conhecido como o "problema do   mal natural "). Neil deGrasse Tyson, por exemplo, é um astrofísico de renome mundial e divulgador da ciência. No entanto, ele também gasta muito do seu tempo popularizando um argumento contra a visão cristã de Deus. Tyson costuma fazer declarações como as seguintes:

"Cada descrição de Deus que ouvi, faz com que Deus seja todo-poderoso e todo-bom. E então olho em volta e vejo um tsunami que matou 250 mil pessoas na Indonésia - um terremoto que matou 250 mil pessoas no Haiti. E vejo terremotos, tornados e doenças, leucemia infantil. E vejo tudo isso e digo que não vejo evidências de que ambos sejam verdadeiros simultaneamente... Se existe um Deus, o Deus não é todo-poderoso ou não é todo bom. Não pode ser os dois!" [6]

Eu afirmo que se Tyson estivesse ciente do Molinismo, ele não faria tais alegações e talvez considerasse o Cristianismo. Considere as palavras de Paul Draper (um conhecido filósofo ateu): “Os argumentos lógicos do mal são uma raça agonizante (morta?)... até mesmo um ser onipotente e onisciente pode ser forçado a permitir que E [vil] consiga obter algum bem importante. ” [7]

O molinismo explica exatamente o que é esse "bem importante". Pelo menos um desses "bens importantes" é que esse mundo temporário e cheio de sofrimento permite aos seres humanos a capacidade de  amar livremente  pela eternidade e nos ensina a não dar um estado de coisas perfeito como Adão, Eva, Satã e um terço deles. todos os anjos pareciam fazer. Com isso em mente, é fácil responder à seguinte pergunta:

Por que Deus chamou esse mundo de "muito bom" (Gênesis 1:31)?

Porque Deus sabia que isso (o que implica o conhecimento médio de Deus, se possuído logicamente antes do Decreto Criativo) - conduz a um  “peso eterno de glória além de qualquer comparação”  (2 Coríntios 4:17). Deus tem a eternidade em mente; nós devemos também.

Um argumento dedutivo resumindo isso é encontrado em seu folheto intitulado Molinism vs the Problem of Natural Evil (Molinismo x O Problema do Mal Natural).

1 - Deus deseja um relacionamento de amor genuíno e verdadeiro com todas as pessoas pela eternidade. (Assume ingrediente essencial #3.)

2- O amor genuíno e verdadeiro entre duas pessoas requer que a liberdade libertária (LFW) seja possuída por ambas as pessoas. (Assume ingrediente essencial #2.)

3- Portanto, Deus cria a humanidade com LFW.

4- Seres criados em perfeitos estados de coisas que também possuem LFW tomam “estados perfeitos de coisas” como garantidos e   escolhem livremente deixar ou arruinar estados de coisas perfeitos (por exemplo, Adão, Eva, Satanás e um terço de todos os anjos).

5- Com (4) em mente, Deus cria um mundo onde Ele sabia que libertários seres humanos livres iria experimentar o mal em quantidades limitadas para que eles seria não tomar o perfeito estado de coisas celestiais para concedido e livremente sair ou arruiná-lo por toda a eternidade (2 Coríntios 4:17). (Assume ingrediente essencial # 1.)

6 Portanto, Deus criando um mundo onde Ele sabia que criaturas livres aprenderiam com nossos erros do mal e sofrimento natural é bom e amoroso! (Este é um presente de Deus!)

Você descobrirá que o argumento em seu material faz uso de todos os três ingredientes essenciais da visão soteriológica do Molinismo. De fato, nenhuma visão concorrente da soberania de Deus tem acesso lógico a esse argumento específico.

Com a intenção eterna de Deus em mente, é fácil ver que Deus não é uma “mente moralmente culpada”. Quer dizer, o conceito de  Mens rea  não se aplica a Deus se o Molinismo é verdadeiro. [8] Este é um argumento decisivo contra a afirmação de Tyson de que se Deus é todo-poderoso, então Ele não pode ser bom ou todo amoroso. De fato, quando mantemos a eternidade em mente, vemos que este mundo repleto de sofrimento é o tipo de mundo mais amoroso que Deus poderia ter criado.

Molinismo tira os dentes da mordida da objeção de Tyson levantada contra o conhecimento de Deus. Tyson parece estar completamente inconsciente do trabalho que teólogos e filósofos fizeram nesse campo que leva a suas afirmações ignorantes. Peter van Inwagen deixou claro:

“Costumava ser amplamente aceito que o mal era incompatível com a existência de Deus: que nenhum mundo possível continha tanto Deus quanto o mal. Tanto quanto eu sou capaz de dizer, esta tese não é mais defendida. ” [9]

Esta tese não pode mais ser defendida nas torres de marfim da academia; no entanto, a maioria da cultura hoje não está ciente dessas conquistas acadêmicas. É por isso que é vital para a Igreja em geral - dos pastores ao leigo - estar ciente do poder apologético do molinismo quando envolvido em evangelismo ou influenciando a cultura para a glória de Deus de qualquer forma ou forma. O chamado "problema do mal" tem sido referido como a principal razão para as afirmações ateístas. No entanto, quando visto através de uma lente molinística, este chamado "problema" desaparece.

O Molinismo e o Argumento do Pensamento Livre contra o Naturalismo

Não só o “problema do mal” não é problema se o Molinismo for verdadeiro, a visão de Molina também fornece uma base para argumentos poderosos contra o naturalismo - a visão mais popular do ateísmo. Simplificando, o naturalismo é a crença de que a realidade física é tudo o que existe. Segue-se que se a natureza é tudo o que existe, então tudo o que existe poderia ser descoberto através do estudo da natureza (física, química e biologia, por exemplo). Assim, se apenas existirem coisas cientificamente testáveis ​​e descobertas, coisas como Deus ou algo parecido com Deus (como as almas humanas) não existem. Um argumento que derrota essa visão naturalista é o Argumento do  Pensamento Livre contra o Naturalismo :

1- Se o naturalismo é verdadeiro, a natureza humana não inclui uma alma imaterial.

2- Se a natureza humana não inclui uma alma imaterial, então os humanos [provavelmente] não possuem liberdade libertária.

3- Se os humanos não possuem liberdade libertária, então os humanos não possuem a habilidade de obter conhecimento inferencial através do processo de racionalidade.

4- Os seres humanos possuem a capacidade de obter conhecimento inferencial através do processo de racionalidade.

5- Portanto, os humanos possuem liberdade libertária.

6- Portanto, a natureza humana [provavelmente] inclui uma alma imaterial.

7- Portanto, o naturalismo é [provavelmente] falso.

8- A melhor explicação para a existência da alma imaterial é Deus.

Eu defendi o Argumento da Pensamento Livre em outro lugar [10] , mas meu ponto é que esse argumento contra o ateísmo naturalista faz perfeito sentido no Molinismo - mas está em desacordo com o determinismo divino ao dedutivamente concluir...

“Portanto, os humanos possuem liberdade libertária”.

De fato, esse argumento da racionalidade é frequentemente atacado por ateus que assumem que o naturalismo é verdadeiro e cristãos que assumem que o determinismo divino exaustivo é verdadeiro. Escusado será dizer que os deterministas cristãos não podem apelar para este argumento apologético para a existência da alma humana criada à imagem de Deus, porque destrói simultaneamente o seu determinismo divino.

Por causa de problemas como esses, uma minoria de calvinistas (como Crisp, Timpe, Plantinga, Muller e Koukl) escolhe livremente rejeitar o determinismo divino exaustivo. Considere as palavras de Greg Koukl:

"O problema com [o determinismo] é que, sem liberdade, a racionalidade não teria espaço para operar. Argumentos não importariam, já que ninguém seria capaz de basear crenças em razões adequadas. Nunca se pode julgar entre uma boa ideia e uma ruim. Alguém só teria crenças porque ele havia sido predeterminado a fazê-lo... Embora seja teoricamente possível que o determinismo seja verdadeiro - não há contradição interna, até onde posso dizer - ninguém jamais poderia saber se fosse. Cada um de nossos pensamentos, disposições e opiniões teria sido decidido por nós por fatores completamente fora de nosso controle. Portanto, na prática, os argumentos para o determinismo são autodestrutivos." [11]

O Molinismo é o melhor e mais defensável arcabouço pelo qual entendemos a liberdade libertária e a liberdade libertária é necessária para que o Argumento do  Pensamento Livre contra o Naturalismo  se mantenha. Este é outro exemplo de como o molinismo é apologético!

O Molinismo e o Argumento Cosmológico Kalam

Molinismo fornece poder de fogo adicional na batalha da apologética. Considere um dos argumentos mais poderosos para a existência de Deus - o Argumento Cosmológico de Kalam. O Kalam é um dos argumentos mais populares para a existência de Deus. No entanto, as inferências racionais derivadas da conclusão dedutiva podem causar problemas para os cristãos que acreditam que a liberdade libertária é impossível.

Considere as inferências racionais que logicamente seguem a partir da conclusão dedutiva do Kalam:

"A causa de todo o espaço, tempo e natureza deve ser sem espaço, atemporal e diferente da natureza (sobrenatural). Além disso, a causa do universo deve ser enormemente poderosa para criar um universo inteiro a partir do nada (não consigo pensar em nada que exija mais poder)."

Além disso, não só a causa do universo tem que ter sido além do tempo e espaço, ele também deve ter tido a capacidade, o poder-para trazer espontaneamente o mundo à existência sem nada causando -lo a fazê-lo, porque então, qualquer que seja a causa da causa era iria  ser  a causa. Mas como essa causa existe fora de qualquer coisa física, temporal ou material, nenhuma dessas coisas poderia logicamente causar ou forçar essa causa última   a fazer qualquer coisa. Portanto, esta causa última parece ter sua própria vontade ou liberdade libertária. Além de qualquer coisa abstrata (que seria causalmente impotente de qualquer maneira [12] ), somente uma  mente  (ou alma) não construída poderia logicamente transcender o espaço-tempo e toda a natureza.

Pense nisto: as pessoas são o único tipo de  coisas  que podem possuir mentes imateriais com livre-arbítrio (o que é apoiado pelo Argumento da  Brinde Livre  anteriormente oferecido); portanto, podemos decifrar que a causa do universo era um ser pessoal. Se a causa do universo é pessoal, então é pelo menos possível que “Isto” possa ter um relacionamento pessoal com outros seres pessoais. Você e eu somos seres pessoais. Portanto, é  possível  que você e eu possamos ter um relacionamento pessoal com a causa do universo. (Nenhuma revelação especial ou dados bíblicos são necessários!)

Aqui está o ponto: Alguns calvinistas deterministas argumentam que a ideia de liberdade libertária é absurda e que nem mesmo Deus pode possuir esse tipo de vontade. [13] Se for esse o caso, então esses calvinistas não podem apelar para todas as inferências racionais fornecidas pelo Kalam e a humanidade - em certo sentido - torna-se tão “necessária” quanto o próprio Deus. Considere as palavras de Jay Wesley Richards:

"[I] f escolha e alternativas devem ser positivamente impedidas de nossa compreensão da criação de Deus do mundo, deve-se concluir que Deus não é tão livre como nós somos em muitas situações. . . . O melhor caminho parece ser manter a afirmação de que Deus é livre, pelo menos no que diz respeito a algumas coisas, no sentido libertário. Deus poderia ter criado um mundo diferente daquele que ele realmente criou, ou ele poderia ter criado nenhum." [14]

Se Deus possui liberdade libertária, entretanto, é lógico que se os seres humanos são de fato criados à imagem de Deus (Gênesis 1: 26-27), então os humanos poderiam possuir a capacidade limitada, mas genuína, de escolher entre uma gama de opções cada um consistente com a nossa natureza também.

Este é o epítome da liberdade libertária!

O Kalam também nos ajuda a entender ainda mais sobre o Molinismo. Considere o fato de que as inferências racionais fornecidas pelo Kalam mostram que Deus existe em um “estado estático de aseidade” no qual o universo (tempo e espaço) não existia. Ou seja, logicamente, antes do começo da existência do universo, Deus existe - "e depois" (para usar a linguagem temporal), Deus cria o universo. Considerando este “estado estático de aseidade” a questão é levantada: Deus é maximamente grande neste estado?

Faça o teste cosmológico :

Pergunta 1:  É verdade que Deus existe logicamente em um estado de asseidade antes de criar o universo (e, portanto, sem o universo)?

Pergunta 2:  Neste estado de asseidade, Deus é onipotente? Se assim for, ele possui o poder de criar criaturas com liberdade libertária (mesmo que Ele nunca as crie)?

Pergunta 3:  Neste estado de asseidade, Deus é onisciente? Em caso afirmativo, ele possui o conhecimento do que essas criaturas livres libertárias - dentro de Seu poder de criar (mesmo que Ele nunca as crie) - deveriam fazer livremente?

Se alguém responder "não" a qualquer uma dessas perguntas, então você pode ser um herege! Se alguém responder "sim" a todos os itens acima, então parabéns, você é um molinista!

Isto porque se alguém afirma que Deus é onipotente e onisciente no estado de coisas logicamente antes da criação do universo, então algum sabor do Molinismo deve ser verdadeiro. Deus iria possuir o poder de criar criaturas livres libertárias (mesmo que ele nunca cria-los) e Deus iria “saber meio” exatamente como essas criaturas livres  seria  livremente pensar, agir, acreditar e se comportar logicamente antes de Seu decreto criativo.

É incrível ver como os argumentos apologéticos para a existência de Deus também podem esclarecer exatamente como devemos pensar sobre sua soberania também!

Se os seres humanos possuem a capacidade libertária de escolher entre uma gama de opções alternativas, cada uma compatível com a natureza humana, então temos acesso a outro argumento poderoso para a existência de Deus.

Molinismo e o argumento moral

O  Argumento Moral  pode ser a maior atenção de todos os argumentos no arsenal do apologista. Isso ocorre porque virtualmente todo ser humano faz julgamentos morais todos os dias.

Há várias razões pelas quais o argumento moral é problemático para o naturalista. Uma questão gritante é porque os naturalistas tipicamente rejeitam a liberdade libertária. Considere o conhecido ateu e neurocientista Sam Harris.

Como naturalista, Harris defende o “determinismo científico”, o que significa que ele acredita que TODOS os nossos pensamentos e ações são causalmente determinados por forças naturais como a física, a química e as condições iniciais do big bang. Todas essas coisas estão fora do controle humano. Com o naturalismo em mente, Harris deixa claro seu ponto de vista em seu livro intitulado Free Will:

"O livre arbítrio é uma ilusão. Nossas vontades simplesmente não são de nossa própria autoria. Pensamentos e intenções emergem de causas de fundo das quais não temos consciência e sobre as quais não exercemos controle consciente. Nós não temos a liberdade que pensamos que temos. O livre-arbítrio é, na verdade, mais do que uma ilusão (ou menos), na medida em que não pode ser conceitualmente coerente. Ou nossas vontades são determinadas por causas anteriores e não somos responsáveis ​​por elas, ou elas são produto do acaso e não somos responsáveis ​​por elas." [15]

Se Harris estiver correto, então segue-se logicamente que os humanos nunca poderiam escolher livremente qualquer ação, incluindo ações com as chamadas propriedades morais. Se o Molinismo é verdadeiro, os humanos podem pensar livremente e agir livremente (pelo menos ocasionalmente). Se o Molinismo é verdadeiro, então os humanos podem ser considerados moralmente responsáveis ​​por nossos pensamentos e ações porque eles não são causalmente determinados por qualquer coisa externa ao humano e o humano genuinamente poderia ter escolhido o contrário. Mas isso levanta um grande problema para o calvinista determinista.

Muitos calvinistas afirmam que Deus exaustivamente causalmente determina  todas as coisas. Este não é um homem de palha que eu estou atacando. O filósofo calvinista francês Guillaume Bignon deixa clara sua opinião sobre o assunto:

"Os cinco pontos do Calvinismo ou a Confissão de Westminster exigem a tese do determinismo teológico? Eu afirmo que eles fazem… será assim, por uma questão de definição: o determinismo teológico será referido como "a visão calvinista", ou simplesmente "calvinismo"." [16]

Em seu recente ensaio, o notável calvinista, Matthew J. Hart afirma essa posição exata: “Calvinistas, devo assumir, são deterministas teológicos. Eles sustentam que Deus causa todos os eventos contingentes, direta ou indiretamente. ” [17]

Nas notas de rodapé, Hart ressalta que alguns podem querer quebrar posições e afirmar um sabor do calvinismo, ao mesmo tempo em que negam essa visão determinista divina exaustiva que é tipicamente associada ao calvinismo (como por Alvin Plantinga e Greg Koukl). [18] Hart observa que Paul Helm é o principal filósofo calvinista hoje e que Helm é um determinista teológico. Com o calvinismo determinista em mente, considere o seguinte argumento:

Sem Livre Arbítrio, Sem Argumento de Pensamento Livre (O Argumento de Oughts & Thoughts)

1- Se o determinismo naturalista ou divino é verdadeiro, então o livre-arbítrio libertário (LFW, sigla em inglês para Libertarian Free Will - N.T.) não existe.

2- Se o LFW não existe, então o pensamento livre libertário (LFT,sigla em inglês para Libertarian Free Thinking - N.T.) não existe (a capacidade de pensar de outra forma).

3- Se LFT não existe, então os desejos morais sobre nossos pensamentos (e ações a seguir) são ilusórios (como seria impossível pensar de outra forma sobre qualquer coisa).

4 - Os desejos morais sobre nossos pensamentos (e ações subsequentes) não são ilusórios.

5- Portanto, a LFT existe.

6- Portanto, o LFW existe.

8- Portanto, tanto o determinismo naturalista quanto o divino são falsos.

Aqui está o ponto: se um cristão rejeita a liberdade libertária humana de escolher ou não escolher, então como eles podem ser considerados moralmente ou racionalmente responsáveis ​​por se comportarem da única maneira que foram criados para pensar, agir ou acreditar? O calvinismo determinista não pode logicamente responder a essa pergunta. Molinismo, no entanto, fornece uma base lógica para o argumento moral para dedutivamente provar a existência de Deus. Uma vez que o livre arbítrio libertário é necessário para o argumento moral funcionar, o apologista dedicado deve ser um molinista.

Molinismo e o Argumento do Ajuste Fino  

Eu argumentei que se alguém apelar para o  Argumento do Ajuste Fino  para a existência de Deus, então eles também deveriam ser um Molinista! Isto é, o argumento do ajuste fino implica (ou sugere fortemente) o Molinismo! Primeiro, considere o silogismo do ajuste fino:

1- O ajuste fino do universo é devido à necessidade física, ao acaso ou ao design.

2- O ajuste fino não é devido a necessidade física ou chance.

3- Portanto, o ajuste fino do universo é devido ao design inteligente.

O que é surpreendente é o fato de estarmos discutindo os estágios iniciais bem ajustados do universo - as condições iniciais do big bang. Se as constantes e quantidades não fossem especificamente discadas “apenas certas”, então um universo que permite a vida não existiria. De galáxias, estrelas e planetas, a átomos e partículas subatômicas, a fundação e a estrutura do nosso universo são determinadas por muitos números “especiais”.

Considere o seguinte exemplo: [19]

* Velocidade da Luz: c = 299,792,458 m s-1
* Constante Gravitacional: G = 6,673 x 10-11 m3 kg-1 s-2
* Constante de Planck: 1,05457148 x 10-34 m2 kg s-2
* Massa de Energia de Planck: 1,2209 x 1022 MeV
* Massa de Electron, Proton, Neutron: 0,511; 938,3; 939,6 MeV
* Massa de Quark Up, Down, Estranho: 2,4; 4,8; 104 MeV (Aprox.)
* Proporção de elétrons para prótons: (1836,15) -1
* Constante de acoplamento gravitacional: 5,9 x 10-39
* Constante cosmológica: (2,3 x 10-3 eV)
* Constante de Hubble: 71 km / s / Mpc (hoje)
* Valor de expectativa de vácuo de Higgs: 246,2 GeV

William Lane Craig observa o significado desses números especiais e o que implicaria se esses números não fossem tão “especiais” e levemente alterados:

"Estas são as constantes e quantidades fundamentais do universo. Os cientistas chegaram à chocante conclusão de que cada um desses números foi cuidadosamente discado para um valor espantosamente preciso - um valor que se enquadra dentro de uma faixa extremamente estreita que permite a vida. Se qualquer um desses números fosse alterado até pela largura de um fio de cabelo, nenhuma vida física e interativa de qualquer espécie poderia existir em qualquer lugar. Não haveria estrelas, nem vida, nem planetas, nem química." [20]

Bem, o que isso tem a ver com o molinismo?

A relevância pode ser encontrada no seguinte: Deus possui certo conhecimento do que  iria  ocorrer em mundos possíveis  , se  Ele fosse para afinar as condições iniciais do universo primordial com todos os “números especiais” referenciado (e mais) e atualizar esta certa possível mundo.

Isto também implica que Deus possuiria conhecimento contrafactual perfeito - não baseado em qualquer coisa que realmente exista - sobre que tipo de universos que não permitem a vida teriam surgido se algum desses números fosse ligeiramente alterado (um mundo possível diferente teria sido o mundo real).

Deus escolheu esses números especiais e, assim, projetou inteligentemente um universo no qual a humanidade poderia e existiria e viria a conhecê-lo. Se esses números fossem diferentes, o universo teria sido diferente e a humanidade não existiria.

O defensor do argumento sintonia fina afirma que Deus projetou as condições iniciais do big bang para garantir um ambiente onde a vida inteligente poderia e iria existir.

Se Deus possuísse o conhecimento do que se seguiria de um certo ponto de singularidade sintonizado logicamente antes de seu decreto criativo de atualizar esse universo - e Deus poderia ter ajustado essas condições iniciais para trazer um tipo diferente de universo (ou nenhum) na existência - então Deus possui conhecimento do que Ele  poderia  realizar. Além disso, dado esse conhecimento, Deus também sabe o que  aconteceria  se  as condições iniciais do big bang não fossem tão afinadas ou afinadas de outra maneira.

Deus sabe tudo o que poderia, iria e iria...

Se Deus possui o poder de criar diferentes do mundo que realmente existe (ou nenhum) mundos, e se Deus sabe tudo o que  iria  acontecer em todos esses outros mundos, se as condições iniciais desses outros mundos (universos) teria sido diferente e, ao contrário, isso parece sugerir fortemente que Deus possui o conhecimento intermediário defendido por Luis de Molina.

Kirk MacGregor define o conhecimento médio da seguinte maneira:

"Conhecimento intermediário é o conhecimento de Deus de todas as coisas que aconteceriam em todas as possíveis circunstâncias, tanto as que são determinadas a ocorrer por essas circunstâncias como as que não estão determinadas a ocorrer por essas circunstâncias." [21]

Como Deus tem conhecimento natural, ele sabe o que as condições iniciais do big bang poderiam produzir. Uma vez que Deus tem conhecimento médio, ele sabe que condições iniciais específicas iria produzir (isto é especialmente evidente quando se considera indeterminação quântica). [22]

Por causa disso, afirmo que, se alguém é um defensor do Argumento do Ajuste Fino para a existência de Deus, então ele ou ela também deve ser um Molinista. No mínimo, o molinista não tem problema em incorporar esse argumento do design ao seu repertório apologético.

Devido a limitações de tempo, devo interromper minha apresentação deixando pelo menos nove argumentos baseados em apologética permanecendo desconsiderados na tabela. Vou discutir estes em minha dissertação de doutorado atualmente em andamento (fique atento).

Conclusão

Em conclusão, temos visto inúmeros exemplos de como o Molinismo fortalece a fé dos cristãos enquanto simultaneamente desafia a fé dos ateus. Com o significado apologético do Molinismo em mente, deve ficar claro que gastar muito tempo explicando e defendendo o Molinismo não é uma “perda de tempo colossal”. De fato, é adequado dizer que o foco do meu trabalho como um apologista cristão é dedicado a  destruir  a maior objeção contra o maior Ser (Deus)! Molinismo estabelece as bases para cumprir o que Paulo descreve em 2 Coríntios 10: 5.

Molinismo e conhecimento médio divino parecem ser chaves que destroem muitos mistérios teológicos. Como o molinismo explica tantos dados, responde a muitas das grandes questões e se opõe a tantas objeções levantadas contra o teísmo cristão, o maior apologista de nossos dias, William Lane Craig, declara:

"Uma vez que se compreenda o conceito de [molinismo] e o conhecimento médio, será surpreendente em sua sutileza e poder. De fato, eu arriscaria dizer que [Molinismo e] conhecimento médio é o conceito teológico mais proveitoso que já encontrei." [23]

Eu concordo com o Dr. Craig! Uma vez que uma pletora de argumentos baseados na apologética é compatível com o molinismo ou apoiada pelo molinismo, só faz sentido para os apologistas cristãos defender a verdade do molinismo. Afinal, como o Molinismo é apoiado por toda a Escritura [24] (veja meu artigo Molinism Is Biblical) e faz sentido e é apoiado por inúmeros argumentos baseados na apologética, parece que o Molinismo é provavelmente verdadeiro!

Isto é, a inferência para a melhor explicação de todos os dados é Molinismo.


Notes

[1] Graham Oppy é um proeminente filósofo ateu que levantou objeções ao Molinismo (Veja , Argumentando com Sucesso sobre Deus : Um Ensaio de Revisão das Argumentações  de Graham Oppy sobre os Deuses). https://www.reasonablefaith.org/writings/scholarly-writings/the-existence-of-god/arguing-successfully-about-god-a-review-essay-of-graham-oppys-arguing-about/ (accessed March 1, 2019). Ele não está sozinho. Os Ministérios FreeThinking  montaram uma equipe de Molinistas que estão em processo de responder às muitas objeções ateístas ao Molinismo.

[2] James K. Beilby, Paul R. Eddy (editors), Divine Foreknowledge: Four Views, IVP Academic, 2001

[3] Jerry Walls argumenta contra o calvinismo e cita o calvinista, Arthur Pink. Walls afirma que Pink "morde a bala" e admite que a visão calvinista de Deus implica que Deus não ama todas as pessoas. Walls encoraja todos os calvinistas a serem limpos e sejam tão honestos quanto Pink: https://youtu.be/Daomzm3nyIg (46:20)

[4] Stratton and Erasmus, Divine Determinism and the Problem of Hell, Perichoresis 16:2, 2018

[5] Eu discuto esta “visão única do Universalismo” em Amor Verdadeiro, Livre-Arbítrio e Lógica do Inferno, http://freethinkingministries.com/true-love-free-will-the-logic-of-hell/, (accessed March 1, 2019)

[6] Tyson foi entrevistado pelo Chelsea no Netflix, Neil deGrasse Tyson acredita em Deus? , https://youtu.be/jXAokvnv7Mc, (acessado em 1º de março de 2019)

[7] Paul Draper, The Skeptical Theist, in The Evidential Argument from Evil, 1996, 176-77).

[8] Mens rea  refere-se à filosofia legal da "mente culpada" e intenção criminosa.

[9] Peter van Inwagen, The Problem of Evil, the Problem of Air, and the Problem of Silence, Philosophical Perspectives, vol. 5: Philosophy of Religion ,ed. James E. Tomberlin: 1991, 135)

[10] Tim Stratton and Jacobus Erasmus, Mere Molinism: A Defense of Two Essential Pillars, Perichoresis 16:2 (2018), p. 21

[11] Greg Koukl, Tactics: A Game Plan for Discussing Your Christian Convictions, Zondervan (2009) p. 128-29

[12] William Lane Craig, Deus e Objetos Abstratos , "É praticamente universalmente aceito que os objetos abstratos, se existirem, são causalmente impotentes" https://www.reasonablefaith.org/writings/scholarly-writings/divine-aseity/god-and-abstract-objects/, (acessado em 1º de março de 2019)

[13] John W. Hendryx, Eleven (11) Reasons to Reject Libertarian Free Will:
A critique of “Why I am not a Calvinist” by Jerry Walls and Joseph Dongell
https://www.monergism.com/thethreshold/articles/onsite/libertarian.html (acessado em 28 de fevereiro de 2019)

[14] Jay W. Richards, The Untamed God, IVP Academic (2003) p. 239

[15] Sam Harris, Free Will, Free Press; 1st edition (2012) p. 5

[16] Guillame Bignon, Excusing Sinners and Blaming God, Pickwick Publications (2017) p. 7

[17] David E. Alexander and Daniel M. Johnson (editors), Calvinism and the Problem of Evil, Matthew J. Hart is the author of the eleventh chapter, Calvinism and the Problem of Hell, Wipf and Stock Publishers (2016) p. 248

[18] Greg Koukl, Do Humans Really Have Free Will?, https://www.str.org/videos/do-humans-really-have-free-will#.XHhErs9KiqB, (acessado em 28 de fevereiro de 2019)

[19] William Lane Craig, Transcript of the Fine-Tuning Argument, http://www.finetuneduniverse.com/finetuned.html, (acessado em 1º de março de 2019)

[20] Ibid.

[21] Kirk MacGregor, Luis de Molina: The Life and Theology of the Founder of Middle Knowledge, Zondervan (2015), p. 11

[22] What is QUANTUM INDETERMINACY? What does QUANTUM INDETERMINACY mean? QUANTUM INDETERMINACY meaning, https://youtu.be/TSEHo9Lmehk, (acessado em 1º de março de 2019)

[23] Beilby, Eddy, Divine Foreknowledge: Four Views, IVP Academic (2001) p. 125

[24] Stratton, Molinism Is Biblical, http://freethinkingministries.com/molinism-is-biblical/, June 8, 2017 (acessado em 1º de março de 2019)


~

Timothy Stratton prosseguiu seus estudos de graduação na Universidade de Nebraska-Kearney (BA, 1997) e depois de trabalhar como ministro em tempo integral por vários anos, se formou na Biola University (MA 2014). Tim foi recentemente aceito na North West University para obter seu Ph.D. em teologia sistemática com foco na metafísica.


terça-feira, 8 de janeiro de 2019

,

Trecho Livro A Contemporary Introduction to Free Will (Uma introdução contemporânea ao livre arbítrio) - Oxford University Press - 2005, de Robert Kane. disponível em Rintintin. O livro inteiro está disponível para compra na Amazon.


1. Crença Religiosa e Livre Arbítrio

Os debates sobre o livre-arbítrio são afetados tanto pela religião quanto pela ciência, como observado no capítulo 1. De fato, para muitas pessoas, a religião é o contexto no qual as questões sobre o livre arbítrio surgem primeiro. A seguinte declaração pessoal do filósofo William Rowe expressa bem as experiências de muitos crentes religiosos que primeiro enfrentam o problema do livre arbítrio:

Quando um jovem de dezessete anos se converteu a um ramo bastante ortodoxo do protestantismo, o primeiro problema teológico a me preocupar foi a questão da Predestinação Divina e da Liberdade Humana. Em algum lugar eu li a seguinte linha da Confissão de Westminster: "Deus desde toda a eternidade fez... livremente e imutavelmente o que quer que venha a acontecer." De muitas maneiras, fui atraído por essa idéia. Parecia expressar a majestade e poder de Deus sobre tudo o que ele havia criado. Isso também me levou a ter uma visão otimista dos acontecimentos em minha vida e nas vidas dos outros, eventos que me pareceram ruins ou infelizes. Pois agora os vejo como planejados por Deus antes da criação do mundo - assim eles devem servir a algum propósito bom e desconhecido para mim. Minha própria conversão, raciocinei, também deve ter sido ordenada para acontecer, assim como o fracasso de outros em serem convertidos deve ter sido ordenado da mesma forma. Mas neste momento em minhas reflexões, me deparo com uma dificuldade, uma dificuldade que me fez pensar mais do que nunca em minha vida. Pois eu também acreditava que eu havia escolhido Deus por livre e espontânea vontade, que cada um de nós é responsável por escolher ou rejeitar o caminho de Deus. Mas como eu poderia ser responsável por uma escolha que, desde a eternidade, Deus havia ordenado que eu faria naquele momento particular da minha vida? Como pode ser que aqueles que rejeitam o caminho de Deus o façam por livre e espontânea vontade, se Deus, desde a eternidade, os destinou a rejeitar seu caminho? [1]

O problema da predestinação divina e do livre-arbítrio humano que Rowe está descrevendo incomodou os crentes religiosos mais pensativos de uma vez ou outra. Os debates sobre esse problema têm sido uma característica de todas as religiões teístas do mundo, incluindo o cristianismo, o judaísmo e o islamismo. Foi esse problema da predestinação e do livre-arbítrio que levou estudiosos muçulmanos (cerca de um século após a morte de Maomé) a perguntar aos califas se eles poderiam olhar para os pergaminhos dos antigos filósofos gregos deixados escondidos nas bibliotecas do Oriente Médio desde o tempo das conquistas de Alexandre o grande. A principal preocupação desses estudiosos muçulmanos era ver se eles poderiam obter algum discernimento dos filósofos gregos “pagãos” para o problema vexatório da predestinação e do livre arbítrio, que o Alcorão não resolveu. As escrituras hebraica e cristã também descrevem um Deus pessoal onipotente (todo-poderoso), onisciente (onisciente) e todo-bom, que criou o universo, sem resolver inteiramente o problema de como a onipotência e a onisciência de Deus poderiam ser reconciliadas com a liberdade humana.

2. Predestinação, Mal e a Defesa do Livre Arbítrio

Uma maneira simples de resolver o problema da predestinação que tem atraído muitos pensadores em diferentes tradições religiosas é argumentar que a predestinação divina e a liberdade humana são compatíveis. Esta solução foi desenvolvida mais plenamente pelo teólogo calvinista americano Jonathan Edwards (1703–1758). Edwards tomou a clássica linha compatibilista discutida no capítulo 2 que a liberdade é a capacidade de fazer o que queremos sem restrições ou impedimentos; e Edwards argumentou que poderíamos ter a liberdade de fazer o que quisermos, mesmo que tudo no mundo fosse determinado pelos atos de preordenação de Deus. Embora Deus tenha criado as naturezas boas ou corruptas a partir das quais agimos, argumentou Edwards, nossos atos são, não obstante, nossos atos livres, imputáveis ​​a nós, uma vez que fluem sem impedimentos de nossas naturezas.

Predestinação nesta forma é difícil de aceitar, como Rowe observa; e o raciocínio do capítulo 11 sugere por quê. Se os seres humanos fossem predestinados da maneira descrita por Edwards, eles não seriam responsáveis ​​por suas ações no sentido de UR. Pois a criação de Deus do mundo, incluindo a criação de diferentes seres humanos com naturezas boas ou más, seria uma causa suficiente de tudo o que acontece, incluindo os atos bons e maus dos humanos. Já que os humanos não são responsáveis ​​por Deus criar o mundo como Deus fez, então os seres humanos não seriam responsáveis ​​por suas ações no sentido de UR. Pior ainda, a responsabilidade final pelos atos bons e maus estaria com Deus, que conscientemente criou um mundo no qual esses atos inevitavelmente ocorreriam. Tais consequências são inaceitáveis ​​para a maioria dos teístas, que acreditam que Deus não é a causa do mal e que também acreditam que Deus justamente nos pune pelos nossos pecados.

Neste ponto, o problema da predestinação e do livre arbítrio torna-se emaranhado com o “problema do mal” religioso: se Deus é todo-poderoso e todo-bom, então por que Deus permite males terríveis no mundo? Ou Deus não pode eliminar o mal, caso em que Deus não é todo-poderoso; ou Deus pode eliminar o mal, mas não o escolhe, caso em que Deus não é todo bom. Uma solução padrão para este problema do mal, devido a Santo Agostinho, é chamada de "Defesa do Livre-Arbítrio". Deus não é a fonte do mal, de acordo com a Defesa do Livre Arbítrio. Em vez disso, Deus dá livre arbítrio a criaturas (como seres humanos e anjos) que, então, causam o mal por meio de suas ações livres. Mas por que Deus daria livre arbítrio a outras criaturas, conhecendo as terríveis consequências que poderiam resultar disso? A resposta padrão, dada por Agostinho, era que "o livre-arbítrio é uma das coisas boas". Sem o livre-arbítrio, raciocinou ele, não haveria bem ou mal moral entre as criaturas, nenhuma responsabilidade ou censura genuínas, e as criaturas não poderiam escolher amar a Deus de livre e espontânea vontade (o amor é um bem maior quando é dado livremente). Deus, portanto, permite o mal para um bem maior, mas Deus não é a causa ou fonte do mal.

Mas a Defesa do Livre Arbítrio tem problemas se a predestinação for verdadeira. Como Rowe diz: “Como eu poderia ser responsável por uma escolha que, desde a eternidade, Deus havia ordenado que eu faria naquele momento particular da minha vida? Como é possível que aqueles que rejeitam o caminho de Deus o façam por livre e espontânea vontade, se Deus, desde a eternidade, os destinou a rejeitar seu caminho? ”Se todos os atos são predestinados, a responsabilidade final por atos bons e maus retornaria a Deus depois de tudo e a defesa do livre-arbítrio falhará.

Por esta razão, entre outros, o compatibilismo é mais difícil de aceitar em um contexto religioso, se você é um teísta que acredita em um Deus onipotente, onisciente e todo-bom que criou o universo. Compatibilistas acreditam que a liberdade (em todos os sentidos que valem a pena) pode existir em um mundo determinado. Mas se vivêssemos em um mundo determinado e também fosse verdade que Deus criou esse mundo, então tudo o que aconteceu naquele mundo teria sido predeterminado e, portanto, predestinado pelo ato de criação de Deus. A responsabilidade final por tudo o que ocorrer voltaria para Deus. Essa é uma razão pela qual a maioria (embora não todos) teístas modernos, como Rowe observa, acredita que o livre-arbítrio que Deus nos deu não poderia existir em um mundo determinado e, portanto, deve ser um livre-arbítrio incompatibilista ou libertário. A única maneira de contornar essa conclusão parece ser aceitar que, ao criar o mundo, Deus predetermina todo ato, bem e mal, que os humanos realizam; e a maioria dos teístas reluta em admitir isso.

Mas suponha que alguém que é teísta esteja relutante em admitir que Deus predetermina todo ato. Deve ele ou ela, assim, negar que Deus é todo-poderoso e todo-bom? Não necessariamente. Pois os teístas podem dizer que Deus tem o poder de predestinar todas as coisas, mas escolhe não exercer esse poder para dar livre arbítrio aos humanos. E se Agostinho está certo em dizer que dar livre arbítrio aos humanos é uma “coisa boa” (pois sem isso não haveria responsabilidade genuína ou censurável), então os teístas podem continuar a defender que Deus é todo-poderoso e todo-bom, mesmo embora Deus opte por limitar o próprio poder de Deus ao dar livre-arbítrio aos seres humanos e não predestinar tudo o que eles fazem.

3. Presciência e Liberdade

Mas se os teístas seguirem essa linha, preservando assim o poder e a bondade de Deus, outro problema se aproxima. Deus supostamente não é apenas todo-poderoso e todo-bom, de acordo com as tradições bíblicas, mas também onisciente ou onisciente. Embora Deus possa escolher livremente restringir o poder divino sobre todos os eventos, a fim de dar aos seres humanos o livre-arbítrio, parece que Deus, no entanto, sabe tudo o que vai acontecer. E há razões para acreditar que a presciência divina seria tanto uma ameaça ao livre arbítrio quanto a pré-ordenação divina. O problema colocado pela presciência divina é claramente declarado por um personagem chamado Evodius no clássico diálogo de Santo Agostinho Sobre a Livre Escolha da Vontade. Evodius diz:

Estou profundamente perturbado por uma certa pergunta: Como pode ser que Deus tenha conhecimento prévio de todos os eventos futuros, e ainda assim não pecamos por necessidade? Qualquer um que diga que um evento pode acontecer de outra forma que não seja como Deus já sabia, está fazendo uma tentativa insana e maliciosa de destruir a presciência de Deus. Se Deus, portanto, previu que um homem bom pecaria. . . o pecado foi cometido por necessidade, porque Deus previu que aconteceria. Como então poderia haver livre arbítrio quando existe tal inevitável necessidade? [2]

Em resposta a Evodius, Agostinho faz um ponto que muitos outros pensadores fizeram desde então sobre este tópico. Agostinho ressalta que apenas antecipar ou prever que algo vai acontecer não é a mesma coisa que fazer com que isso aconteça.

Sua presciência de que um homem pecará, por si só não requer o pecado. Sua presciência não o forçou a pecar.... Da mesma forma, a presciência de Deus sobre eventos futuros não os compele a acontecer.... Deus não é a causa má desses atos, embora Deus justamente os vingue. Você pode entender disto, portanto, quão justamente Deus pune os pecados; porque Deus não faz as coisas que ele sabe que acontecerão. [3]

Para ilustrar o ponto de Agostinho, imagine os cientistas de pé atrás de uma tela observando tudo o que fazemos, mas não interferindo de maneira alguma em nossas ações. Eles podem saber o suficiente sobre nós para prever tudo o que vamos fazer. Mas não se segue que eles causam o que fazemos ou somos responsáveis ​​por isso, se eles sempre permanecem atrás da tela e nunca interferem. Assim seria com Deus, Agostinho está dizendo, se Deus apenas precisasse do que faremos. Embora o pré-ordenamento, ou predestinação de algo, aconteça, apenas saber de antemão não o faz acontecer. Em suma, a presciência não é a causa do que é conhecido de antemão.

4. Antecedentes e o Argumento das Consequências

Para muitas pessoas, essa distinção entre causar ou predeterminar o que acontecerá e apenas saber de antemão resolve o problema da presciência divina e da liberdade humana. Infelizmente, o problema não é tão simplesmente resolvido. Pois há razões para acreditar que o próprio conhecimento prévio pode ser incompatível com a liberdade humana, mesmo que a presciência não seja a causa do que é conhecido de antemão. Uma maneira de ver por que isso pode ser assim é considerar o seguinte argumento, que tem alguns paralelos interessantes ao Argumento das Consequências do capítulo 3 para a incompatibilidade entre o livre-arbítrio e o determinismo. Se Deus tem pré-conhecimento de todos os eventos, incluindo ações humanas, então as seguintes condições são obtidas.

1. Deus acreditou, em algum momento antes de nascermos, que nossas ações presentes ocorreriam.
2. As crenças de Deus não podem estar erradas.
3. Deve ser o caso que se Deus acreditasse, em algum momento antes de nascermos, que nossas ações presentes ocorreriam e as crenças de Deus não podem ser confundidas, então nossas ações presentes ocorrerão.
4. Não há nada que possamos fazer agora para mudar o fato de que Deus acreditou, em algum momento antes de nascermos, que nossas ações presentes ocorreriam.
5. Não há nada que possamos fazer agora para mudar o fato de que as crenças de Deus não podem ser confundidas.
6. Não há nada que possamos fazer agora para mudar o fato de que se Deus acreditasse, em algum momento antes de nascermos, que nossas ações presentes ocorreriam e as crenças de Deus não podem ser confundidas, então nossas ações presentes ocorrerão.
7. Portanto, não há nada que possamos fazer agora para mudar o fato de que nossas ações presentes ocorrem.

Em suma, se Deus tem conhecimento prévio do que vamos fazer, não podemos agora fazer o contrário do que realmente fazemos. Como esse argumento, como o Argumento de Consequência, pode ser aplicado a quaisquer agentes e ações a qualquer momento, podemos deduzir que, se Deus tem conhecimento prévio de todos os eventos, ninguém pode fazer o contrário; e se o livre-arbítrio exigir o poder de fazer o contrário, ninguém terá livre-arbítrio.

Ao avaliar este argumento, é útil notar os paralelos entre ele e o Argumento das Consequências do capítulo 3. Passo 4 deste argumento (Não há nada que possamos agora para mudar o fato de que Deus acreditou em um momento antes de nascermos que nossa as ações presentes ocorreriam) corresponde à premissa 1 do Argumento de Consequência (Não há nada que possamos fazer agora para mudar o passado). O passo 5 deste argumento (Não há nada que possamos fazer agora para mudar o fato de que as crenças de Deus não podem ser confundidas) desempenha um papel semelhante à premissa 2 do Argumento da Consequência (Não há nada que possamos fazer agora para mudar as leis da natureza) . Assim como as leis da natureza tornam necessário que, dado o passado, ocorram nossas ações presentes (que é o passo 5 do Argumento de Consequência), então o fato de as crenças de Deus não poderem ser erradas torna necessário que, dado que Deus creu em um tempo passado que nossas ações presentes ocorreriam, nossas ações presentes ocorrerão (passo 3 deste argumento). As crenças prévias de Deus não podem fazer com que nossas ações atuais ocorram, mas elas tornam necessário que nossas ações presentes ocorram, se as crenças de Deus não puderem ser confundidas.

Considere, finalmente, as premissas 1 e 2 deste argumento de pré-conhecimento. É difícil para os teístas, se eles acreditam que Deus é infalível, negar que as crenças de Deus não podem ser confundidas (premissa 2 do argumento). Quanto à premissa 1 do argumento (acreditava-se Deus, em um tempo antes de nascermos, de que nossas ações presentes ocorreriam), segue diretamente a suposição de que Deus tem presciência. Lembre-se que o argumento meramente tem que assumir que Deus tem presciência para mostrar que, se Deus tem conhecimento prévio, então nos falta o livre-arbítrio.

5. Soluções Eternalistas ao Problema do Pré-Conhecimento: Boécio e Aquino

Este argumento pré-conhecimento provocou muitas respostas ao longo da história. No restante deste capítulo, consideraremos quatro das mais importantes tentativas de responder a ela e, assim, resolver o problema da presciência divina e da liberdade humana. Três dessas respostas têm suas origens na filosofia medieval, mas foram refinadas nos tempos modernos. A primeira resposta foi apresentada pelo filósofo Boécio (480–524 EC), que viveu um século depois de Agostinho e mais tarde foi defendida por São Tomás de Aquino (1225-1274 dC), o filósofo mais influente da Idade Média.

Boécio e Tomás de Aquino apelam para a eternidade ou intemporalidade de Deus para responder ao problema da presciência. Um Deus perfeito não estaria sujeito ao tempo e mudaria como nós, criaturas, insistem. Mas se Deus é eterno no sentido de ser atemporal, ou fora do tempo, então não podemos dizer que Deus tem conhecimento prévio de eventos futuros. Pois, o conhecimento antecipado implica que Deus está localizado em algum ponto no tempo e sabe naquele tempo o que vai acontecer em tempos futuros; e isso não faz sentido se Deus não está no tempo. Devemos dizer que Deus sabe tudo o que acontece, com certeza. Mas se Deus é eterno em um sentido atemporal, então tudo o que acontece deve ser conhecido por Deus em um presente eterno, como se Deus estivesse vendo diretamente acontecer naquele momento em particular. Assim, Boécio diz do conhecimento de Deus:

Ela engloba a infinita varredura do passado e do futuro e considera todas as coisas em sua compreensão simples como se elas estivessem ocorrendo agora. Assim, se você pensar em pré-conhecimento pelo qual Deus distingue todas as coisas, você irá corretamente considerar que não é um pré-conhecimento de eventos futuros, mas o conhecimento de um presente que nunca muda. [4]

Várias imagens foram sugeridas para ilustrar como Deus conhece eternamente um mundo em mudança. A imagem mais simples é de uma estrada em que estamos andando. Viajantes na estrada dão um passo de cada vez. Mas Deus vê toda a sua jornada e todo o caminho de uma só vez de cima da estrada, por assim dizer, estando fora do tempo.

Se aceitarmos esse relato eternalista do conhecimento de Deus, parece que a premissa 1 do Argumento da Presciência seria falsa: não poderíamos mais dizer “Deus creu, em um tempo antes de nascermos, que nossas ações presentes ocorreriam”. as ações presentes não seriam necessárias pelo passado, inclusive pelas crenças passadas de Deus. Assim, nossas ações poderiam ser livres, mesmo em um sentido libertário, uma vez que elas poderiam ser indeterminadas por todos os eventos passados ​​no tempo, mesmo que fossem eternamente conhecidos por Deus. A onisciência divina poderia então ser reconciliada com a liberdade humana, mesmo que a presciência divina não pudesse ser; e o problema do pré-conhecimento seria resolvido.

Ou seria? Houve objeções a essa maneira de resolver o problema da presciência. Muitas objeções têm a ver com a ideia da própria intemporalidade divina. Como poderia um ser atemporal conhecer um mundo em mudança? Como pode ser que os eventos que ocorrem no tempo estejam simultaneamente presentes a Deus? Se Deus é atemporal, como Deus pode interagir com criaturas temporais como nós, reagindo e respondendo ao que fazemos, como Deus freqüentemente faz na Bíblia? Os defensores da intemporalidade divina tentaram responder a essas objeções à ideia de que Deus é eterno em um sentido atemporal. Mas, do nosso ponto de vista, a questão mais importante é se atribuir conhecimento atemporal a Deus realmente resolve o problema da presciência divina e da liberdade humana. Alguns filósofos argumentam que isso não acontece.

Alguns desses filósofos questionaram se o conhecimento atemporal de Deus de tudo o que acontece não é apenas uma ameaça à nossa liberdade como a presciência de Deus seria. Eles perguntam, nas palavras de Rowe, como poderíamos ter feito de outra forma “se Deus soubesse da eternidade que escolha faríamos nesse momento particular”. Linda Zagzebski afirma essa objeção dizendo que “não temos mais razão para pensar que podemos fazer alguma coisa sobre Conhecimento intemporal de Deus do que sobre o conhecimento passado de Deus. ”5 Em apoio a essa afirmação, Zagzebski sugere que um argumento como o da seção 4 poderia ser reformulado para que também se aplique ao conhecimento eterno de Deus.

No lugar da premissa 1 (Deus acreditava, em algum momento antes de nascermos, que nossas ações presentes ocorreriam), teríamos a premissa 1 *: Deus acredita desde a eternidade (atemporalmente) que nossas ações presentes ocorrem. Como as crenças atemporais de Deus também não podem ser confundidas, seria necessário que, se Deus acreditasse desde a eternidade que nossas ações presentes ocorressem, então nossos atos presentes ocorreriam. Mas não há nada que possamos fazer agora para mudar o fato de que Deus acredita desde a eternidade que nossas ações presentes ocorrem e nada que possamos fazer agora para mudar o fato de que as crenças de Deus não podem ser confundidas. Portanto, não há nada que possamos fazer agora para mudar o fato de que nossas ações presentes ocorrem. Se esse argumento estiver correto, pareceria que o conhecimento atemporal de Deus é tanto uma ameaça à nossa liberdade quanto a presciência de Deus seria. Zagzebski não afirma que esse argumento refuta necessariamente a doutrina da intemporalidade divina. Mas ela acha que isso mostra que apelar para o conhecimento atemporal de Deus não resolverá o problema da presciência divina e da liberdade humana sem mais argumentos.

6. A Solução Ockhamista: William de Ockham

Uma solução diferente para o problema da presciência, que tem sido muito discutida pelos filósofos contemporâneos, foi sugerida pelo filósofo medieval William de Ockham (1285-1349). Ockham argumentou que podemos e devemos atribuir presciência genuína de todos os eventos futuros a Deus. Assim, ele rejeitou a solução atemporal de Boécio e Aquino. Para entender como a presciência de Deus pode ser reconciliada com a liberdade humana, Ockham apela para uma distinção sutil entre dois tipos de fatos sobre o passado, “fatos concretos” e “fatos suaves”. Para ilustrar a diferença, suponha

(H) Adam Jones nasceu à meia-noite no Mercy Hospital em Ames (Iowa) em 1 de maio de 1950.

Este é um fato difícil sobre o passado. É um fato que é simplesmente sobre o passado no sentido de que, sendo um fato sobre o dia 1º de maio de 1950, não depende de nenhum fato que possa ocorrer no futuro. Tampouco há algo que alguém possa fazer mais tarde para mudar o fato passado de que Adam Jones nasceu naquele lugar naquele momento.

Mas suponha que agora que Adam Jones teve um filho, John, nascido em 1975, e à meia-noite de 1 de junho de 2000, John cometeu um assassinato. A partir daí, tornou-se verdade que

(S) O pai de um assassino (a saber, o pai de John, Adam Jones) nasceu à meia-noite no Mercy Hospital em Ames em 1 de maio de 1950.

Este é um fato suave sobre o passado. É sobre o passado no sentido de que é sobre algo que aconteceu em 1950 (o nascimento de Adam Jones). Mas não é simplesmente sobre o passado, porque a sua verdade também depende de algo que aconteceu mais tarde em 2000. Ao contrário do fato difícil H (Adam Jones nasceu ... em Ames ... em 1950), esse fato mole S (o pai de um assassino nasceu ... em Ames ... em 1950) não era um fato sobre o passado em todos os momentos entre 1 de maio de 1950 e 1 de junho de 2000. (O fato suave tornou-se um fato sobre o somente após 1º de junho de 2000.)

Podemos até supor que John está assassinando alguém em 2000 era uma ação livre que era indeterminada e, portanto, John poderia ter agido de outra forma. Nesse caso, teria sido "até João", em 2000, se o fato fofo S se tornaria um fato sobre o passado. Mas isso não seria assim sobre o fato de que Adam Jones nasceu em Ames em 1 de maio de 1950. Nada que John ou qualquer outra pessoa pudesse fazer depois de 1º de maio de 1950 poderia mudar o fato difícil.

Agora, Ockham sugere que os fatos sobre a presciência de Deus, embora sejam sobre o passado, são fatos suaves sobre o passado, em vez de fatos concretos. Eles não são simplesmente sobre o passado porque se referem e exigem a verdade de eventos futuros. Assim, o conhecimento de Deus em épocas anteriores de que João cometerá um assassinato em 2000 é um fato se e somente se João cometer um assassinato em 2000. Ockham então argumenta que, embora não esteja em nosso poder afetar fatos concretos sobre o passado, está em nosso poder afetar fatos suaves sobre o passado. Se o assassinato de John fosse uma ação livre, então John poderia ter feito o contrário; ele poderia ter se abstido de matar. E se ele tivesse se abstido de assassinar, então Deus teria sabido em épocas anteriores que João se absteria em vez de saber que João cometeria assassinato.

Temos que ser cautelosos aqui. Ockham não está afirmando que o poder de John de fazer o contrário neste sentido é um poder para mudar o que Deus acreditava anteriormente. Não devemos imaginar que Deus sabia antes que João mataria e que João mudou o que Deus havia conhecido antes, abstendo-se. Isso seria presumir que o conhecimento prévio de Deus era um fato difícil sobre o passado e não podemos mudar fatos concretos sobre o passado. Mas se o conhecimento prévio de Deus foi um fato suave, não precisa ser mudado. Pois, se João se absteve de matar, o simples fato teria sido sempre diferente: Deus teria conhecido de antemão, em todos os tempos anteriores, que João iria abster-se, em vez de ter sabido que João mataria.

Essa solução é certamente sutil. Mas isso provoca mais do que algumas perguntas. Podemos acreditar que a presciência de Deus é realmente um fato suave sobre o passado? Se Deus tivesse pré-conhecimento de um evento futuro, parece que Deus teria que acreditar em um momento anterior em que o evento ocorreria. Mas uma crença divina no passado parece ser tão boa candidata a um fato difícil sobre o passado quanto qualquer outra coisa. Se você ou eu acreditássemos hoje que um evento futuro iria acontecer amanhã (por exemplo, um terremoto), o fato de que tínhamos essa crença hoje seria um fato difícil: se o terremoto (ou qualquer outra coisa) ocorreria amanhã não afetaria o terremoto. fato de que acreditamos hoje que isso ocorreria. Mas os ockhamistas apontam que as crenças de Deus são diferentes das suas e das minhas. As crenças de Deus não podem estar erradas. Então, se Deus tem ou não uma certa crença hoje, depende do que acontece amanhã. Com você e eu, em contraste, se nossa crença era verdadeira dependeria do futuro, mas ter a crença hoje não dependeria do futuro.

No entanto, essa diferença admitida nas crenças de Deus leva a outros enigmas. Se John estivesse cometendo assassinato em 1 de junho de 2000, era uma ação livre, então John poderia ter feito o contrário - ele também poderia ter se abstido; e o que quer que João tenha feito, Deus teria sabido disso em todos os tempos antigos. Assim, parece que João tem o poder neste momento em 1º de junho de 2000, para determinar o que Deus conheceu de antemão em todos os tempos antigos. Isso parece preservar o livre arbítrio de John. Pois a ação voluntária de João seria, em última instância, responsável pelo que Deus havia conhecido antes em tempos anteriores, e não o contrário. Mas o livre arbítrio de João é assim preservado, ao parecer, tornando a presciência de Deus bastante misteriosa. Para a presciência de Deus em todos os tempos anteriores - até mesmo antes de João existir - agora parece depender do que João faz neste momento no tempo.

Outra característica intrigante da presciência divina na visão Ockhamista é essa. Suponha que agora seja 1990. Podemos realmente dizer em 1990 que Deus então sabia que João cometeria assassinato em 2000? Aparentemente não, porque o que Deus acreditava em tempos antes de 1 de junho de 2000, não foi resolvido ou determinado até que João agiu de uma forma ou outra em 1 de junho de 2000. Se a presciência de Deus de uma futura ação livre é um fato suave sobre o passado Nesse sentido, parece que não se tornaria um fato sobre o passado até depois do tempo em que a ação livre é executada. A presciência de Deus seria semelhante ao fato suave S - o fato de o pai de um assassino ter nascido em Ames em 1 de maio de 1950 - que só se tornou um fato sobre o passado depois de 1 de junho de 2000, quando John Jones cometeu assassinato. .

Conceber ações livres dessa maneira preserva o livre-arbítrio, como observado, já que parece fazer com que a presciência de Deus dependa de nossas ações livres, e não o contrário. Mas certamente torna a presciência de Deus difícil de entender. O próprio Ockham admitiu esse ponto. Ele disse: “Eu afirmo que é impossível expressar claramente a maneira pela qual Deus sabe o futuro [ações livres]. No entanto, deve ser considerado que Ele o faz.

7. A Solução Molinista

A terceira solução para o problema da presciência originou-se de outro pensador medieval tardio, o filósofo e teólogo jesuíta espanhol Luis de Molina (1535-1600 dC). Como Ockham, Molina rejeitou a solução intemporal para o problema do conhecimento prévio de Boécio e Aquino. Mas Molina procurou uma resposta melhor do que Ockham foi capaz de dar sobre como Deus pode prever futuras ações livres. Para explicar isso, Molina introduziu a noção de "conhecimento médio" divino.

Molina começa distinguindo três tipos de conhecimento que Deus teria. O primeiro é o conhecimento de Deus de tudo o que é necessário ou possível. Sendo onisciente, Deus saberia tudo o que deve ser e também todas as possibilidades - tudo o que poderia ser. Além disso, por um segundo tipo de conhecimento, Deus saberia, entre coisas contingentes - aquelas que podem existir ou não existir - qual delas realmente existiu porque Deus quis que fossem assim e não porque elas eram necessárias. Mas, entre esses dois tipos de conhecimento divino, segundo Molina, há outro:

O terceiro tipo é o conhecimento médio, pelo qual, em virtude da compreensão mais profunda e inescrutável de cada livre arbítrio, Deus viu em sua própria essência o que cada um desses desejos faria com sua liberdade inata, se fosse colocado nisto, ou naquele ou, na verdade, em infinitas ordens de coisas - embora fosse realmente capaz, se assim quisesse, fazer o oposto. [6]

O conhecimento médio é, portanto, o conhecimento que Deus tem de como as criaturas livres exercerão sua liberdade. Em virtude do conhecimento médio, de acordo com Molina, Deus antecipa o que cada criatura livre faria, se colocada em qualquer situação possível, mesmo que a criatura não esteja determinada a agir como ele ou ela faz. Assim, por exemplo, pelo conhecimento médio, Deus saberia o seguinte.

1. Se perguntassem ao apóstolo Pedro se ele é um seguidor de Jesus (em um determinado momento e em certas circunstâncias), Pedro o negaria livremente.

2. Se Molly fosse oferecida um emprego com o escritório de advocacia em Dallas (em um determinado momento e em determinadas circunstâncias), ela escolheria livremente.

Pelo conhecimento médio, Deus saberia essas coisas, embora tanto Pedro quanto Molly não estivessem determinadas a fazer o que fizeram, e as duas poderiam ter feito o contrário.

Proposições como 1 e 2 são chamadas de contrafactuais de liberdade: elas descrevem o que os agentes fariam livremente, se colocados em várias circunstâncias C (onde se assume que as circunstâncias C não determinam como elas agirão). Como pode Deus saber a verdade de tais contrafactuais de liberdade se não é necessário ou determinado que os agentes farão A nas circunstâncias C? Deus não pode conhecer a verdade de tais contrafactuais pelo primeiro tipo de conhecimento do que é necessário, insiste Molina, porque ações futuras livres não ocorrem por necessidade. Deus também não pode saber com antecedência o que as criaturas livres, como Pedro e Molly, farão livremente conhecendo as leis da natureza e do passado porque, por hipótese, o passado e as leis da natureza não determinam o que eles farão. Deus também não pode saber o que Peter e Molly vão fazer sabendo tudo sobre seus personagens, motivos e personalidades, porque seus personagens, motivos e personalidades também não determinam de quais maneiras eles podem agir.

Finalmente, Deus não pode saber o que Peter e Molly farão livremente nas circunstâncias em virtude do segundo tipo de conhecimento de Molina - pelo conhecimento de Deus do que Deus quis que eles fizessem. Pois criaturas livres nem sempre fazem o que Deus quer (como no caso de Pedro); e se a vontade de Deus fizesse com que as criaturas fizessem o que aparentem fazer livremente, então Deus seria o responsável final pelos atos malignos das criaturas, bem como por seus bons atos.

Deus, portanto, não conhece a verdade dos contrafactuais da liberdade nem pelo primeiro nem pelo segundo tipo de conhecimento. No entanto, Molina insiste que deve haver uma verdade a ser conhecida sobre o que Peter vai fazer em suas circunstâncias e o que Molly vai fazer com ela, mesmo que nenhum dos dois esteja determinado a fazer o que ele ou ela faz. E se há uma verdade sobre o que eles realmente farão, então Deus, sendo onisciente, teria que conhecer essa verdade “em virtude da compreensão mais profunda e inescrutável de cada livre arbítrio”. Deus não os faria executar qualquer determinada ação, com certeza. Os agentes agiriam de livre e espontânea vontade. Mas Deus veria “em sua própria essência o que cada um desses desejos faria com sua liberdade inata, se fosse colocado nesta ou naquela circunstância”.

Se Deus não tivesse tal conhecimento intermediário, os Molinistas argumentam que Jesus não teria sido capaz de saber que Pedro livremente negaria que ele era um seguidor de Jesus; nem Deus teria sido capaz de prever o que várias figuras da Bíblia fariam livremente. No primeiro livro de Samuel, por exemplo, Deus prevê e profetiza que Saul escolherá livremente cercar a cidade de Keilah se Davi permanecer na cidade. Sem conhecimento médio, os Molinistas insistem que a profecia não seria possível quando se trata de ações livres humanas; e a providência e a capacidade de Deus para controlar todos os eventos na criação seriam limitadas.

No entanto, é difícil entender como Deus pode ter conhecimento médio do que as criaturas livres farão. (O próprio Molina diz que isso envolve uma “compreensão inescrutável de cada livre arbítrio”.) Os críticos do molinismo vão além e dizem que o conhecimento médio é impossível. Eles se concentram na alegação de Molina de que deve haver uma verdade sobre o que Peter fará livremente se for colocado em certas circunstâncias e sobre o que Molly escolherá livremente em certas circunstâncias, mesmo que nenhuma das pessoas seja determinada por essas circunstâncias a fazer o que ele ou ela ela faz. Mas há uma verdade sobre o que Peter e Molly farão livremente antes de realmente fazerem isso? O que tornaria os contrafactuais de liberdade da forma “Se colocados nas circunstâncias C, o agente fará livremente A” verdadeiro antes dos próprios agentes agirem? Tais contrafactuais não são verdadeiros da necessidade, como vimos. Nem são verdadeiras em virtude das leis da natureza. Nem são verdade porque Deus quis que eles fossem verdadeiros. (Caso contrário, Deus estaria envolvido em todas as ações humanas livres, bem e mal.)

Refletindo sobre tudo isso, os críticos do molinismo, como Robert Adams e William Hasker, argumentam que não há nada que faça contrafactuais da liberdade verdadeira. [7] Portanto, não há verdade a ser conhecida, dizem eles, por Deus ou qualquer outra pessoa sobre o que os agentes livres farão antes de agir. Pode haver uma verdade, como observa Adams, sobre o que agentes livres provavelmente farão antes de agir; e Deus, sendo onisciente, conheceria tal verdade. Por exemplo, pode ser verdade que “se Molly estivesse em circunstâncias C, ela provavelmente escolheria se juntar ao escritório de advocacia em Dallas”. Pois pode haver fatos sobre o caráter, motivos e circunstâncias de Molly que o tornam provável (embora não certos ) que ela fará essa escolha, se sua escolha for indeterminada. É claro que também pode haver outros fatos que tornam provável que ela escolha a firma em Austin. (E não há dúvida de que existem outros fatos sobre Molly que tornam altamente improvável que ela não escolha uma das firmas, mas decida se tornar uma dançarina de topless em Seattle.)

Em suma, pode haver fatos que apoiem ​​afirmações sobre o que agentes livres provavelmente farão e provavelmente não farão; e Deus conheceria esses fatos. Mas não há fatos, segundo os críticos do Molinismo, que sejam suficientes para tornar verdade que agentes livres, como Molly, fariam uma escolha em vez de outra antes de agir. Como você pode imaginar, os defensores do molinismo rejeitam essa crítica. Eles argumentam que, embora os fatos sobre os personagens e as circunstâncias dos agentes e fatos livres sobre as leis da natureza não sejam suficientes para tornar verdadeiros contrafactuais da liberdade, deve haver algumas verdades na natureza das coisas sobre o que os agentes fariam com sua liberdade. em várias circunstâncias. E se Deus fosse realmente onisciente, Deus de alguma forma conheceria essas verdades.

8. A visão do “teísmo aberto”

A quarta e última solução para o problema do pré-conhecimento é a visão do “Teísmo Aberto”. Os defensores dessa visão não acham que nenhuma das soluções anteriores para o problema da presciência é satisfatória. A única saída, eles acreditam, é negar que Deus tem conhecimento prévio de futuras ações livres. Nesta visão do Teísmo Aberto, o futuro é genuinamente “aberto” e até mesmo Deus não sabe o que os agentes livres farão antes de agir. Tal visão foi realizada por algumas figuras isoladas na história do pensamento religioso. Mas geralmente era considerado pouco ortodoxo, se não escandaloso, negar que Deus tivesse conhecimento completo do futuro. No século XX, no entanto, essa visão do "teísmo aberto" foi revivida e defendida por "filósofos processuais", como Alfred North Whitehead e Charles Hartshorne, que argumentaram que as soluções ortodoxas para o problema da presciência divina e da liberdade humana eram inadequadas. [8] Nas últimas décadas, outros filósofos e teólogos defenderam o Teísmo Aberto sem necessariamente aceitar todos os pressupostos metafísicos dos filósofos do processo. [9]

Os Teólogos Abertos enfatizam que negar a Deus tem conhecimento prévio de ações livres futuras não significa desistir da ideia de que Deus é onisciente. Isso parece paradoxal, mas na verdade não é, eles insistem: pois eles garantem que Deus sabe tudo o que acontece e aconteceu. Nada que ocorra escapa ao conhecimento de Deus. Mas o futuro ainda não ocorreu e ainda não é real. Então, quando se trata de ações livres, não há nada de real para ser conhecido, pelo menos não ainda. Deus pode conhecer os eventos no futuro que são necessários ou determinados, sabendo o que já ocorreu e conhecendo as leis da natureza e as leis da lógica. Assim, Deus pode saber muitas coisas sobre o futuro, sobre os movimentos das estrelas e a queda de pedras e muitos outros assuntos. Mas eventos como ações humanas que não são necessárias ou determinadas são uma questão diferente. Eles ainda não são reais e podem ou não ocorrer. Não saber o que não é (ainda) ou não é (ainda) real e nunca pode ser não é faltar omnisciência. Deus saberá todos esses eventos futuros quando e se eles se tornarem reais, mas não antes.

A visão teísta aberta, de acordo com seus defensores, fornece um relato mais natural das interações de Deus com o mundo criado e com os humanos, conforme descrito nas escrituras teístas. Deus dá livre arbítrio aos humanos sem saber de antemão o que eles farão com seu livre arbítrio. Os humanos então usam esse livre arbítrio para fazer o bem ou o mal. Deus espera para ver o que eles farão e reage de acordo, recompensando-os ou punindo-os. Na visão teísta aberta, essa é a interpretação simples e de bom senso das escrituras. O livre-arbítrio humano é preservado e os humanos são responsáveis ​​por suas próprias ações livres, não por Deus. Além disso, a bondade e a justiça de Deus são preservadas porque Deus justamente nos pune ou recompensa pelas ações pelas quais somos responsáveis.

Dada a simplicidade desta solução para o problema do pré-conhecimento, pode-se perguntar por que muitos teístas consideram a visão Teísta Aberta como não ortodoxa e por que não é mais amplamente aceita. A resposta é que isso exigiria grandes mudanças nas visões teológicas tradicionais sobre a natureza de Deus. Nesta visão Teísta Aberta, Deus não pode mais ser considerado imutável ou imutável, outro atributo importante que tem sido freqüentemente atribuído a Deus. Porque Deus vem a conhecer muitas coisas que Deus não conheceu desde a eternidade enquanto o mundo se desdobra; e assim Deus muda. Deus também não pode mais ser concebido como atemporal ou além do tempo. Ainda se poderia dizer que Deus era eterno, mas isso não significaria mais além do tempo, mas sim que Deus existe em todos os momentos.

Tradicionalmente, também se acreditava que Deus era a causa ou criador de todas as coisas, mas não o efeito de qualquer coisa. Deus era impassível e não afetado por um mundo em mudança. Na visão Teísta Aberta, no entanto, parece que quando Deus vem a saber o que fazemos, Deus é afetado por nós. Em outras palavras, Deus não é mais impassível. A visão teísta aberta também parece exigir uma visão diferente da profecia. Deus poderia profetizar com certeza terremotos e outros desastres naturais, mas onde as ações livres humanas estavam em jogo, como a negação de Pedro ou a escolha livre de Saul por sitiar a cidade de Queila, Deus poderia saber de antemão que tais atos provavelmente ocorreriam, mas não saberia com certeza. Essa é uma limitação que é inaceitável para muitos teístas.

Os teístas abertos podem responder (e muitos respondem) argumentando que a compreensão tradicional da natureza de Deus precisa ser repensada. A ideia de que um Ser perfeito seria inteiramente além do tempo e da mudança, impassível ou não afetado pela mudança de coisas, e conhecendo tudo sobre o futuro, é uma ideia de perfeição que tem suas origens na filosofia grega e não nas tradições bíblicas. O que é necessário, eles podem argumentar, é repensar a ideia de perfeição ou o que significa dizer que Deus é perfeito. Por outro lado, aqueles que relutam em abandonar os modos tradicionais de pensar sobre Deus e não podem aceitar essa visão de Teoria Aberta devem confiar em uma das outras soluções para o problema de pré-conhecimento discutido neste capítulo; ou eles devem chegar a uma solução ainda desconhecida.

Leitura sugerida

O trabalho clássico de Agostinho sobre presciência e liberdade é Sobre a livre escolha da vontade (Bobbs-Merrill, 1964). Uma seleção deste trabalho pode ser encontrada em meu volume editado Free Will (Blackwell, 2002). Dois bons estudos gerais sobre o problema da presciência divina e da liberdade humana são O Deus, o Tempo e o Conhecimento de William Hasker (Cornell, 1989) e O Dilema da Liberdade e Pré-Conhecimento, de Linda T. Zagzebski (Oxford, 1991). A visão de Luis de Molina pode ser encontrada em On Divine Foreknowledge, traduzida com uma introdução útil por Alfredo Freddoso (Cornell, 1988). A mais moderna defesa moderna da visão Molinista é a Divina Providência de Thomas Flint: The Molinist Account (Cornell, 1998). Robert Merrihow A crítica de Adams ao Molinismo pode ser encontrada em “Conhecimento Médio e o Problema do Mal” (American Philosophical Quarterly, 14, 1977). A visão Theist The Open é defendida por Clark Pinnock, Richard Rice, John Sanders, William Hasker e David Basinger em A Abertura de Deus (InterVarsity, 1994). A visão teísta aberta dos filósofos do processo, como Whitehead e Hartshorne, está bem apresentada em David Griffin e John B. Cobb, Teologia do Processo: Uma Exposição Introdutória (Westminster, 1976).


Notas:

1. William Rowe, Philosophy of Religion (Belmont CA: Wadsworth Publishing, 1993), p. 141.
2. Augustine, On the Free Choice of the Will (Indianapolis: Bobbs-Merrill, 1964) p. 25.
3. Ibid.
4. Boethius, The Consolation of Philosophy (New York: Bobbs-Merrill, 1962), prose VI.
5. Linda T. Zagzebski, “Recent Work on Divine Foreknowledge and Free Will” in Robert Kane, ed., The Oxford Handbook of Free Will (Oxford: Oxford University Press, 2002), pp. 45–64; quotation, p. 52.
6. Luis de Molina, On Divine Foreknowledge (Ithaca, NY: Cornell University Press, 1988), Disputation 52, paragraph 9. Translated with an introduction by Alfredo Freddoso.
7. Robert Merrihew Adams, “Middle Knowledge and the Problem of Evil,” American Philosophical Quarterly 14 (1977): 1–12; William Hasker, “Middle Knowledge: A Refutation Revisited,” Faith and Philosophy 12 (1995): 223–36.
8. For a good introduction to the process theology of Whitehead and Hartshorne by two of its prominent defenders, see David Griffin and John B. Cobb, Process Theology: An Introductory Exposition (Philadelphia: Westminster Press, 1976).
9. Clark Pinnock, Richard Rice, John Sanders,William Hasker, and David Basinger, The Openness of God (Downers Grove IL:InterVarsity Press, 1994).

~



quarta-feira, 2 de janeiro de 2019

,

O molinismo é uma tentativa de fornecer uma solução para os problemas filosóficos clássicos associados à providência de Deus, à presciência e à liberdade da humanidade. Essa visão pode ser atribuída ao teólogo jesuíta do século XVI, Luis de Molina - daí o nome Molinismo. Especificamente, procura manter uma visão forte da soberania de Deus sobre a criação, ao mesmo tempo em que preserva a crença de que os seres humanos têm liberdade autodeterminada ou livre arbítrio libertário .

"A doutrina de Molina chama-se scientia media, ou conhecimento médio, porque está no meio das duas categorias tradicionais da epistemologia divina transmitida por Tomás de Aquino , conhecimento natural e livre. Compartilha características de cada um e, na ordem lógica do processo divino deliberativo sobre a criação, segue o conhecimento natural, mas precede o conhecimento livre ". [1]

"A solução de Luis de Molina para o dilema da liberdade / presciência teve um renascimento na segunda metade do século XX, principalmente através dos esforços de William Lane Craig, Alfred Freddoso, Jonathan Kvanvig, Thomas Flint e Alvin Plantinga. Em suma, esses pensadores seguiram a contra-reforma jesuíta, postulando um conhecimento intermediário entre o conhecimento natural e livre de Deus". [2] 


Variações do conhecimento de Deus

Conhecimento Natural - Este é o conhecimento de Deus de todas as verdades necessárias e todas possíveis. Neste "momento", Deus conhece todas as combinações possíveis de causas e efeitos. Ele também conhece todas as verdades da lógica e todas as verdades morais.

Conhecimento Médio - Este é o conhecimento de Deus do que qualquer criatura livre faria em qualquer circunstância, também conhecida como conhecimento contrafactual. Às vezes também é declarado como o conhecimento de Deus da verdade dos condicionais subjuntivos.

Conhecimento Livre - Este é o conhecimento de Deus do que Ele decidiu livremente criar. O livre conhecimento de Deus é seu conhecimento do mundo atual como ele é.


O conhecimento de Deus e a criação decretada

O que se segue é uma sinopse da ordem lógica postulada no Molinismo, relacionando os aspectos (ou momentos) do conhecimento de Deus ao mundo que Ele escolheu criar.

O conhecimento de Deus de todas as verdades possíveis e necessárias (conhecimento natural - do que poderia acontecer).
O conhecimento de Deus de todos os mundos possíveis (conhecimento médio - do que aconteceria através de escolhas livres sob certas circunstâncias, incluindo contrafactuais).
Decreto divino para criar seu mundo selecionado.
A presciência de Deus é estabelecida através de Seu decreto selecionado (conhecimento livre - do que acontecerá).
Postular um conhecimento médio e colocá-lo entre o conhecimento de Deus das verdades necessárias e o decreto criativo de Deus é crucial para o esquema Molinista. Ao colocar conhecimento médio (e, portanto, contrafactuais) antes do decreto da criação, Deus concebivelmente permite a liberdade do homem no sentido libertário. Colocar logicamente esse conhecimento médio depois das verdades necessárias, mas antes do decreto de criação, também permite que Deus analise todos os mundos viáveis ​​e decida que mundo realizar.


Evidência bíblica proposta para o conhecimento médio

Êxodo 13:17
1 Samuel 23: 8-14
Jeremias 23: 21-22
Mateus 11: 21-24
1 Coríntios 2:8

~

Notas

[1] Conhecimento Médio na Internet Encyclopedia of Philosophy
? Travis James Campbell, Conhecimento Médio: Uma Crítica Reformada (PDF).


Leitura adicional

Craig, William Lane. O único deus sábio: a compatibilidade do pré-conhecimento divino e da liberdade humana (Baker, 1987).
Craig, William Lane. O Problema do Pré-Conhecimento Divino e Futuros Contingentes de Aristóteles a Suárez (Nova York: Brill, 1988).
Flint, Thomas P. Providência Divina: A Conta Molinista (Ithaca: Cornell, 1998).
Hasker, William. Deus, Tempo e Conhecimento (Ithaca: Cornell, 1989).
Molina, Luis de. Sobre a presciência divina: Parte IV da Concórdia. Traduzido por Alfred J. Freddoso (Ithaca: Cornell, 1988).
Plantinga, Alvin. A natureza da necessidade (Oxford: Clarendon, 1974).
Laing, John D. "A Compatibilidade do Calvinismo e do Conhecimento Médio", JETS 47: 3 (setembro de 2004).
Hasker, William. "Um Novo Argumento Anti-Molinista", Religious Studies 35: 3 (September 1999): 291-97.
Heathley, Kenneth. Salvação e Soberania: Uma Abordagem Molinista (B & H Academic, 2010).

Fonte: Theopedia

Follow Us @soratemplates